Lição 8 – Debaixo da Lei ou da Graça

1

Quando lemos Êxodo 20 desde o verso 1, percebemos que antes de pronunciar a lei Deus deixa clara a graça. O texto diz: “Então Deus falou todas estas palavras: – Eu sou o Senhor, seu Deus, que o tirei da terra do Egito, da casa da servidão” (Êxodo 20:1, 2). Primeiro o Senhor fala em libertação, depois enumera os mandamentos. Primeiro Ele liberta do povo do jugo opressor do Egito para, depois, mostrar como quer que Seu povo viva. Conosco também é assim: primeiro Deus nos liberta do jugo do pecado, de uma vida escravizada a vícios, comportamentos destrutivos, prazeres deturpados; depois nos apresenta um caminho infinitamente melhor – um caminho de exercício do livre-arbítrio na escolha do que é construtivo, prazerosamente puro e abençoado.

Estar debaixo da graça é viver a liberdade de servir e obedecer por amor, pois existe o reconhecimento de que os reclamos e as leis de Deus existem para a nossa proteção e nosso bem-estar. Na verdade, o Universo inteiro funciona graças às leis que o Criador estabeleceu. Por que seria diferente para os seres morais que nele habitam? As leis morais são tão divinas e necessárias quanto as leis físicas. Quebrar qualquer uma delas traz problemas; alguns imediatamente fatais.

Estar debaixo da lei inicialmente não é necessariamente algo ruim, pois a lei moral existe mesmo para apontar nosso pecado, mostrar o caminho perigoso em que estamos. Assim, somente é condenado aquele que transgride. O que foi salvo por Cristo e obedece é livre dessa condenação e permanece debaixo da graça. Portanto, uma das maiores aberrações teológicas consiste na ideia de que os que estão debaixo da graça são livres para viver como bem entendem, dispensados de obedecer à lei. Experimente subir até o terraço de um prédio e se atirar de lá, achando que está livre da lei da gravidade… (Por favor, não faça isso! É fatal. Assim como é fatal viver em rebelião contra a vontade de Deus.)

Compartilhar.

Sobre o autor

Avatar

Pastor, jornalista, editor da revista Vida e Saúde e editor associado da ComTexto

1 comentário

Deixe um comentário